terça-feira, 25 de janeiro de 2011

POEMA PROTESTO



Poema protesto:

Foto: Gibson Machado

Peito Esfumaçado

Queima, joga no meu peito
Joga, nada te impede...
A impunidade é tua amiga
A omissão é tua cumplice...

Vem, queima que já é comum
Ninguém mais se importa
Autoridades não moram aqui
Não vêem o nosso drama.

Queima que ninguém reclama
Isso não aconteceu, é fantasia
É criminoso? É proposital?
Não importa.

Também não importa minha saúde
Meu sossego então,...basta...
Queima, mas queima tudo de uma vez
Pra vê se mata, só assim alguém aparece.

Aparece pra apanhar as cinzas
Cinzas daquilo que chamam cidade
Cidade que vira pó(novamente)
A Cidade dos cinzas canaviais.
Ceagá

(Em homenagem as "lindas" queimadas que "alegram" os moradores da cidade dos verdes(ou seria cinza?) canaviais.

2 comentários:

  1. Olá Gibson !
    Não sei se vc tem esta informação, mas saberia me dizer onde podemos ter acesso ao texto do autor Amaral Gurgel: Os Transviados ? tenho uma amiga escritora que está precisando deste texto. Desde já agradeço se pduer me orientar!
    Grata

    ResponderExcluir
  2. Olá eu parabenizo o escritor deste poema maravi- lhoso com título Peito Esfumaçado, o poema retrata fielmente o que sentimos quando estão botando fogo em Ceará Mirim. Vale lembrar que os patrimônios históricos cabem neste poema

    ResponderExcluir