sábado, 23 de outubro de 2010

SEMINÁRIO DA UVA - CEARÁ-MIRIM

Professora Cidinha e Professor Gibson Machado - matando a saudade


À medida que ficamos mais experientes vamos abrindo a sensibilidade e as emoções fluem com mais facilidade e já não temos mais o controle de nossos sentimentos, basta algo provocante ou saudosista, para que travemos as palavras e fios de lágrimas teimem em escorrer pelos nossos rostos.
Convidado para falar sobre os grupos folclóricos de Ceará-Mirim em uma turma de Pedagogia da Universidade de Acaraú – UVA iniciei minha exposição falando sobre a apresentação anterior à minha, que tratava da importância dos movimentos sociais na administração de Djalma Maranhão, principalmente, o “De pé no chão também de aprende a ler”.
Relatei minha experiência no projeto Mova Brasil e na formação com professores do Instituto Paulo Freire. Foi um período em que tive acesso a leituras sobre os movimentos populares e, também, a obra freireana.

Quando falava da experiência citei uma aluna do Mova Brasil, Dona Zélia, senhora de seus 65 anos. No primeiro dia de aula ela disse que seu maior desejo e objetivo naquele curso era poder ler a Bíblia e escrever uma carta para uma filha que morava em São Paulo. No final do curso, sete meses depois, ela presenteou-me um cartão natalino com um salmo da Bíblia - o cartão foi todo confeccionado por ela – e uma carta que enviaria para a filha em São Paulo.
Nesse momento não me contive de e

moção e não pude continuar. A sensibilidade estava brotando do mais profundo e sincero sentimento de gratidão por ter participado daquele projeto e ajudado àqueles cidadãos e cidadãs a recuperar suas autoestimas e acreditar que era possível vencer os obstáculos. A vida é assim... Ficamos velhos e mais sensíveis!! Sou feliz por isso.
Muito interessante o seminário da disciplina Educação e movimentos sociais – Multiculturalismo, conduzida com muita sabedoria pela professora Aparecida Dantas – Cidinha, amiga e parceira de alguns projetos do Canal Futura em 2005 -. Os grupos foram instigados a pesquisar e, surpreendentemente, trouxeram informações muito importantes para a formação do grupo de estudo.
O primeiro grupo apresentou o tema: A campanha de pé no chão também de aprende a ler. Os componentes do grupo pesquisaram profundamente, inclusive focando a importância de Djalma Maranhão conduzindo todo o processo de transformação social daquele período. Fiquei bastante impressionado com o material de alto nível apresentado pelos alunos, principalmente o vídeo filmado nos anos 1960 – uma verdadeira relíquia.
O segundo grupo teve como temática os grupos culturais. Um dos membros do grupo era Mucio Vicente – ator e diretor de teatro – e responsável pelo convite para que eu falasse sobre a origem dos grupos folclóricos, suas manifestações e a sobrevivência desses grupos através de apoios institucionais.
Como não poderia ser diferente, Mucio Vicente abriu a apresentação com um de seus cordéis falando sobre Ceará-Mirim e, também, reproduziu um vídeo com imagens da cidade e trilha sonora do hino composto por José Luiz.
Após minha explanação sobre os grupos folclóricos e nossas tradições populares os alunos interagiram com perguntas e comentários a respeito da importância em preservá-los para poder garantir suas transmissões às futuras gerações.
O momento de maior emoção foi durante a performance da aluna Bárbara Nunes fazendo uma homenagem a poeta cearamirinense Ana Augusta da Fonseca Cabral através do poema Retalhos de sonhos. Quando concluiu sua brilhante e emocionante participação, muitos alunos estavam chorando em sua companhia.
Cultura é isso: está adormecida e, quando desperta, provoca muitos sentimentos, principalmente o de pertença... Aquele que todos devemos ter e nos orgulhar de fazê-lo surgir das cinzas para superar o esquecimento, o abandono e a falta de amor pela nossa terra tão querida.
Para muitos, é uma bobagem!!! Mas, para àqueles que amam Ceará-Mirim, o sentimento de pertença precisa está acima de cores, diferenças e de interesses estranhos a nossa realidade.
O quarto grupo apresentou a temática de Patrimônio Histórico e convidaram o professor Francisco Assis Rodrigues para falar sobre a importância dos patrimônios históricos na construção de Ceará-Mirim nos seus 152 anos de emancipação.

Professor Francisco Assis Rodrigues

O professor foi brilhante em suas colocações. Quando falava, fazia uma viagem sentimental, lembrando nossos grandes escritores Nilo Pereira e Edgar Barbosa. Falar sobre Ceará-Mirim é falar do sentimento, do amor à terra que nos viu nascer. É lutar para que nossa história não passe como as águas de seu rio, cortando o ubérrimo vale, hoje poluído e abandonado por aqueles que passaram a vida toda explorando suas riquezas naturais.
Encerrando aquela manhã especial, o último grupo apresentou o tema Sindicalismo Rural através do depoimento do sindicalista Francisco Rosemiro – atual presidente do STR de Ielmo Marinho e ex-militante e líder do MST.

Francisco Rosemiro - Presidente do STR de Ielmo Marinho

O depoimento do Sr. Rosemiro foi de uma riqueza ímpar. Ele falou sobre a origem do sindicalismo rural no Brasil, seus principais objetivos e sua contribuição para a formação dos movimentos sociais da categoria.
A vivência do palestrante nos movimentos sociais o credenciam na faculdade da vida. Poucos conhecem os meandros dos sindicatos como ele, principalmente sua luta em favor dos menos favorecidos e discriminados pela burguesia e pela burocracia manipulada pelos grandes representantes do capitalismo selvagem.

A professora Aparecida Dantas está de parabéns por proporcionar aos alunos do curso de Pedagogia da UVA em Ceará-Mirim a iniciação em pesquisas históricas, antropológicas e culturais. Tenho certeza que muitos daqueles acadêmicos olharão para nossos patrimônios e movimentos sociais de forma diferente, certamente, eles buscarão maiores informações e, quem sabe, surgirão novos pesquisadores de nossa memória.
Quero agradecer a todos pelo convite de participar com meus humildes conhecimentos e dizer que fiquei muito feliz em saber que a professora Aparecida está fazendo mestrado por uma Universidade portuguesa cuja pesquisa tem como tema a didática através dos griôs e um dos principais objetos de pesquisa é o mestre Tião Oleiro e minha pessoa como agente cultural de Ceará-Mirim. Fico muito agradecido por isso e estou a inteira disposição para contribuir naquilo que tiver dentro de minhas possibilidades e conhecimentos. Vamos vibrar pela defesa de professora em Portugal no próximo ano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário