sexta-feira, 9 de abril de 2010

CASA-GRANDE (Francisco de Assis Rodrigues)



Casa Grande do Engenho Carnaubal - 1º engenho de Ceará-Mirim - em avançado estado de deterioração e abandono

Símbolo da aristocracia no latifúndio chamado engenho, a casa-grande deixava clara a nobilidade, o poder, a riqueza, o mando e a influência do seu dono. Ela simbolizou, no Nordeste brasileiro, a economia do açúcar e gerou uma vida social característica de um ciclo, refeito nesta Região pelo declínio do ciclo do ouro. A ela estava associado o cenário das senzalas onde moravam os escravos.

Casa Grande do Engenho Cruzeiro (década de 1930) - atualmente está ruínas

Suas construções, algumas de expressivo valor arquitetônico, vieram de plantas de arquitetos europeus com predominância do estilo português. Em geral, quando possuíam dois pisos, eram chamadas de sobrados ou palacetes.

Casa Grande do Engenho Igarapé (Preservada)

Havia, na casa grande, destaque para as salas, denominadas de estar e de jantar, que eram, no geral, forradas de madeira, tinham piso de mosaicos vindos da Europa, madeira ou tijoláceas e eram decoradas com móveis europeus, espelhos venezianos, retratos de antepassados pintados a óleo e belas e densas cortinas de veludo ou damasco dourado. Na cozinha, lugar onde as relações sociais se tornavam amenas, conviviam a sinhá, as escravas, as tias solteiras, avós, primas órfãs, amas de leite e mulheres, às vezes livres, mas empregadas ou agregadas do senhor. Ali as amenidades de relações davam conta de todas as novidades e até das fofocas (à época chamadas chafurdos) de casamentos na justiça, gravidezes estapafúrdias e namoros proibidos no engenho e adjacências.

Casa Grande do Engenho Divisão - Demolida

É interessante ressaltar que todo o universo atingido pelos “olhos” da cozinha da sinhá era às vezes do seu conhecimento e, dependendo dos “atores”, de sua anuência. Aí, entre um cafezinho feito na hora ou uma porção de doce, as línguas davam conta de tudo que os olhos não alcançavam.

Casa Grande do Engenho Nascença (Preservada)

Com mando absoluto sobre toda a casa e sobre todo o feudo – o senhor do engenho – a ele a terra conferiu títulos nobilísticos e o caráter de dono da propriedade, dos escravos e das vidas. A ele o poder, o respeito e a justiça.


Casa Grande do Engenho São Francisco - Hoje Usina - em avançado estado de deterioração e abandono

No vale do Ceará-Mirim a casa grande do Engenho Guaporé, como tantas outras, foi símbolo e elo desta terra em suas mais sólidas relações políticas, sociais e econômicas, tanto no Estado como fora deste. Dali saíram estudos, idéias e decisões do Partido Liberal, ao qual pertencia seu construtor, Vicente Inácio Pereira – o segundo norte-rio-grandense a formar-se em medicina – deputado provincial, vice-presidente da província e jornalista.

Casa Grande do Engenho Guaporé - Hoje Museu Nilo Pereira - avançado estado de deterioração e abandono

Hoje essa casa, de estilo afrancesado, abriga o Museu Nilo Pereira – que recebe visitas de todos os que vêm ao Ceará-Mirim como turistas ou estudiosos do Estado ou da Região.

Lugar de grandes encontros políticos, sociais e religiosos, a casa-grande do Guaporé é exemplo de vestígios deixados pelo fausto em que se envolveu o verde vale do Ceará-Mirim, da segunda metade do século XIX à primeira metade do século XX.


Fonte: Ceará-Mirim, tradição engenho e arte - Sebrae - 2005








2 comentários:

  1. Como é possível o poder público de Ceará Mirim e do Governo do Estado do RN permitir que um patrimônio desse, que é sinônimo de riqueza, poder de senhores, cultura, história, vá abaixo sem que esses ógãos façam nenhum intervenção urgente. O Engenho Guaporé, ah, quanta tristeza quando vejo aquele rico patrimônio se deteriorando. Quisera eu ter dinheiro pra comprá-lo, restaurá-lo com fidelidade aos seus traços originais e abrir as suas portas à visitação pública. Governo de Ceará Mirim, digo Secretaria de Turismo e Governo do RN, pelo o amor de Deus, se unam em parcerias para que esse patrimônio não desapareça de vez.

    ResponderExcluir
  2. de onde vem as informações sobre os Engenhos?

    ResponderExcluir